editora hucitec
prefacio filosofia da caixa preta ensaios para uma futura filosofia da fotografia
lyrics

PREFÁCIO A EDIÇÃO BRASILEIRA

O presente ensaio é resumo de algumas conferências e aulas que pronunciei sobretudo na França e na Alemanha. A pedido da European Photography, Göttingen, foram reunidas neste pequeno livro publicado em alemão em 1983. A reação do público (não apenas dos fotografos, mas sobretudo do interessado em filosofia) foi dividida, porém intensa. Em consequência à polêmica criada, escrevi outro ensaio “Ins Universum der technischen Bilder” ( Adentrando o universo das imagens tecnicas), publicado em 85, onde procuro ampliar e aprofundar as reflexões aqui apresentadas.

Estas partem da hipótese segundo a qual seria possível observar duas revoluções fundamentais na estrutura cultural, tal como se apresenta, de sua origem até hoje. A primeira, que ocorreu aproximadamente em meados do segundo milênio a C., pode ser

captada sob o rótulo “invenção da escrita linear” e inaugura a História propriamente dita; a segunda, que ocorre atualmente, pode ser captada sob o rótulo “invenção das imagens

técnicas” e inaugura um modo de ser ainda dificilmente definível.

A hipótese admite que outras revoluções podem ter ocorrido em pa**ado mais remoto, mas sugere que elas nos escapam.

Para que se preserve seu caráter hipotético, o ensaio não citará trabalhos precedentes sobre temas vizinhos, nem conterá bibliografia. Espera a**im criar atmosfera de abertura para campo virgem. Não obstante, incorporará um breve glossário de termos

explícitos e implícitos no argumento, no intuito de clarear o pensamento e provocar contra-argumentos. As definições no glossário não se querem teses para defesas, mas

hipóteses para debates. A intenção que move este ensaio é contribuir para um diálogo filosófico sobre o

aparelho em função do qual vive a atualidade, tomando por pretexto o tema fotografia. Submeto-o, pois, à apreciação do público brasileiro. Faça-o com esperança e com receio.

Esperança, porque, ao contrário dos demais públicos que me lêem, sinto saber para quem estou falando; receio, por desconfiar da possibilidade de não encontrar reação crítica. Este

prefácio se quer, pois, aceno aos amigos do outro lado do Atlântico e aos críticos da imprensa. Que me leiam e não me poupem. Percebo que editar este ensaio no contexto brasileiro é empresa aventurosa. Quero agradecer aos que nela mergulharam, sobretudo Maria Lília Leão, por sua coragem e amizade. Que sua iniciativa contribua para o diálogo brasileiro.

V. F.